Tags do dia:
Horóscopo
Mín: º Mín: º
Política
Política

Beto Richa fala sobre prioridades e investimentos

Candidato do PSDB mostra resultados e apresenta propostas à sua reeleição

Publicado
(Reprodução/Facebook)

Em entrevista, Beto Richa cita que a Saúde também será prioridade em seu governo e ressalta investimentos no setor.

Jornal do Ônibus de Curitiba: Quais suas propostas para a área da Saúde?

Beto Richa: A atenção integral à Saúde é um direito. O setor será  prioridade em nosso governo e isso pode ser verificado a partir da ampliação do orçamento da área. De 2011 a 2014, o orçamento foi de R$ 8,5 bilhões ante R$ 5 bilhões nos quatro anos anteriores. Nosso compromisso é investir anualmente mais do que os 12% das receitas correntes líquidas estaduais para garantir o financiamento de projetos prioritários, como o apoio a hospitais públicos e filantrópicos, construção de Unidades da Saúde da Família, de Centros de Especialidades do Paraná e de novos hospitais, entre outros projetos.

Como em todos os outros setores, o diálogo continuará permanente com prefeituras, consórcios, prestadores de serviços hospitalares etc. As comissões de avaliação dos programas também contam com a participação de representantes dos hospitais. Tudo isso será mantido e ampliado.

Em Curitiba, todos os hospitais públicos e filantrópicos recebem ajuda do governo. Temos o programa HospSus, que destina recursos de ampliação dos hospitais e para o custeio. O Hospital do Trabalhador terá uma nova maternidade. Destinamos R$ 7,5 milhões para o Cajuru, a Santa Casa e o Evangélico em 2013. Estamos repassando R$ 9 milhões para o custeio de despesa desses hospitais.

JOC: A Educação é uma das principais preocupações, pela falta de mais investimentos. Qual seu planejamento para essa área?

Candidato: Investimos no setor como nunca na história do Paraná. Não só em relação à valorização dos profissionais, como em estrutura de prédios, transporte e alimentação escolar etc. Os professores tiveram 60% de reposição salarial, o que compensou um longo período de achatamento salarial a que foram submetidos, especialmente na administração antecessora à nossa. Outra reivindicação da categoria foi atendida: a ampliação da hora atividade. Estabelecemos o melhor piso do salário inicial do Brasil para os professores. Outro passo importante foi a contratação de 17 mil novos agentes educacionais e professores por concurso público. Mais 13 mil estão em processo de contratação, totalizando 30 mil pessoas.

Ao mesmo tempo em que realizamos 3 mil obras em prédios escolares (entre reformas e construções), ampliamos os recursos destinados ao transporte escolar, que passaram de R$ 27 milhões para R$ 100 milhões anuais.

JOC: O que o senhor mudaria na Economia caso vencesse a eleição?

Candidato:  Graças a Deus, os resultados na Economia do Paraná foram muito saudáveis mesmo com o ambiente negativo criado pela má gestão do governo federal, com seus fatores de instabilidade, especialmente a aceleração da inflação, do déficit público e dos desequilíbrios das contas externas, o que criou uma postura defensiva de investidores.

Devido à nossa política, baseada em diálogo e respeito jurídico, o Paraná recebeu R$ 35 bilhões em investimentos em quatro anos, com a criação de 180 mil novos empregos, no maior ciclo industrial de nossa história. Todas as estatísticas revelam consistentes níveis de produção fabril do Paraná, em sentido oposto ao baixo crescimento registrado pela indústria nacional. Isto se deve também à soma dos setores produtivos de nosso Estado, especialmente o agronegócio, a química e petroquímica, a metalmecânica e a construção civil.

O desenvolvimento econômico vai bem, graças a Deus, apesar de não sermos uma ilha no painel brasileiro. Porém, há a certeza de que estamos no rumo certo e continuaremos a trilhar este caminho.

JOC: Uma das principais reclamações da população é a falta de Segurança. Quais seus planos para enfrentar esse problema?

Candidato: Nosso plano é intensificar aquilo que foi feito nesses quatro anos para combater a criminalidade e aumentar a segurança da família paranaense. Todos os investimentos que fizemos são plenamente justificados pelos resultados alcançados. Só para se ter uma ideia, em 2013 foram registrados 530 assassinatos em Curitiba. Esse número representa 11% a menos do que o verificado no ano anterior (597 casos). E, na comparação com 2010, a redução chega a quase 30%.

Aumentamos significativamente nosso efetivo, passando de 17 mil para 21,2 mil componentes. Ao todo, até o final deste ano, contrataremos um total de 10 mil policiais, entre militares, civis e integrantes da Polícia Científica. Além de aumentar o efetivo, melhoramos a remuneração paga aos profissionais da Segurança Pública. Além disso, fizemos a recomposição da nossa frota, com aquisição de mais de 1,4 mil viaturas.

Também implantamos dez unidades do Paraná Seguro (UPS) em Curitiba, outra em Londrina e em Cascavel. Instalamos quatro novos batalhões da PM. em Colombo, na CIC, o Batalhão de Fronteira, com sede em Marechal Cândido Rondon; e a unidade de Umuarama. Em todo o Paraná, equipamos e dotamos as forças de segurança para o combate ao crime. Com tudo isto, cumprimos milhares mandados de prisão, tiramos um grande volume de droga de circulação, conseguimos uma redução de 23% de homicídios em todo o Estado.

Há vários outros exemplos no setor, como os módulos móveis que estarão nos bairros de Curitiba. Neste primeiro momento serão 50 módulos para a Grande Curitiba.

  • Imprimir
Comente
Comentários

Seja o primeiro a comentar.